sábado, 18 de abril de 2015

DOMINGO III DA PÁSCOA - Ano B


SALMO RESPONSORIAL Salmo 4, 2.4.7.9 (R. 7a)
Refrão: Fazei brilhar sobre nós, Senhor,
a luz do vosso rosto.

Quando Vos invocar, ouvi-me, ó Deus de justiça.
Vós que na tribulação me tendes protegido,
compadecei-Vos de mim 
e ouvi a minha súplica.

Sabei que o Senhor faz maravilhas
pelos seus amigos,
o Senhor me atende 
quando O invoco.

Muitos dizem: 
«Quem nos fará felizes?»
Fazei brilhar sobre nós, Senhor, 
a luz da vossa face.

Em paz me deito
e adormeço tranquilo,
porque só Vós, Senhor, 
me fazeis repousar em segurança.

sexta-feira, 17 de abril de 2015

CAMINHADA DOS CATEQUISTAS 2015 - Baião

E mais uma vez se cumpriu a tradição! Mas desta vez com boas previsões meteorológicas que nos levaram à procura dum castelo perdido, algures entre o céu e a terra…
Apesar do nevoeiro à beira mar, que ia jogando connosco às escondidas, à medida que subíamos e nos afastávamos mais para o interior, adivinhava-se já o calor que nos esperava para nos ajudar a descobrir cada recanto e cada regato e a deixarmo-nos encantar com cada pormenor da natureza em plena primavera florida.
E, desta vez o percurso era duro…ou então são os anos que pesam mais! Ou são os caminhos que alongam ou são as energias que encurtam!...
Depois do pequeno-almoço tomado, rumámos até ao vale, junto às calmas águas do Ovil, no local onde oferece uma pacata zona de lazer. Aí orámos, louvando a vida e pedindo proteção ao Senhor para todos quantos ali caminhávamos. 
Daí partimos de mochila às costas rumo à serra, como que à descoberta do berço dessas águas que naquele lugar descansam da correria, pela certa, para vencer obstáculos e alturas.
Erguia-se aquele “castelo” sobre uma amarela tapeçaria de flores, digna de qualquer rei, e guardado por gigantes sentinelas de granito que não deixam de nos espantar pelas suas formas e pelos seus tamanhos! 
 
 A vontade de o alcançar era grande!
 Ao castelo não chegámos, mas asseguramos-vos que quase o tocámos...
À medida que o vale ia ficando para trás, e o alto monte ficava mais próximo iam-se alterando os sentimentos. 
Até aí, parecia-nos inalcançável o cume daquela montanha, vista ao longe… Agora, parecia-nos que o vale se afundava em sítio que nem o sol conseguia visitar!
A descida apresentou-se mais fácil… Encontrada uma sombra, repusemos os nossos níveis de energia com as iguarias que cada um levou e repartiu. É sempre um momento de repouso e de alegre convívio entre todos. E… imaginem… nem o cafezinho faltou lá no meio da montanha! Há sempre alguém que amavelmente providencia a tão desejada bebida aos que dificilmente a dispensam no final do almoço…
Pelo caminho, alegremente cansados, tivemos tempo para beber nas fontes de água que jorram das entranhas daquela serra e que regam os campos laboriosamente trabalhados por gente simples, lutadora e sábia! 
Campos que se viam lavrados e aplanados prontos a fazer frutificar as batatas, as cebolas, os alhos, as alfaces e todo o tipo de legumes necessários à alimentação humana e também do gado. Desse saber ancestral, manual, sai uma geometria perfeita, sem régua nem esquadro.
De regresso ao vale, ainda houve tempo para o jogo tradicional da malha e para aliviar os pés cansados. 
De regresso ao centro ainda tivemos oportunidade de ouvir tocar e cantar uma tuna académica e finalmente a hora do jantar, onde se pôde apreciar a ótima gastronomia da região, muito apreciada e elogiada por todos. Após os discursos dos “caloiros” da caminhada, que este ano foram poucos, regressámos saudavelmente cansados, com o desejo e a promessa de estar na caminhada no ano que vem. 
Venham fazer a experiência de que os caminhos que se nos apresentam tortuosos e enlameados são, por vezes, os que nos levam ao melhor destino e perceber o quanto é mais fácil caminhar juntos!
Abril de 2015

quinta-feira, 16 de abril de 2015

CATEQUESE - celebrações missionárias, com Padre LUIS VIEIRA

 Para a infância (do 1º ao 6º anos) 
sábado às 16h, Capela S. Martinho
Para a adolescência (do 7º ao 11º anos) 
 sábado às 17.30h no centro paroquial

terça-feira, 14 de abril de 2015

LECTIO DIVINA


Evangelho: Jo 3, 7b-15
«Não te admires por Eu te haver dito que todos devem nascer de novo. O vento sopra onde quer: ouves a sua voz, mas não sabes donde vem nem para onde vai. Assim acontece com todo aquele que nasceu do Espírito».

Rezar a Palavra
Sinto a urgência de beber dessa água e desse Espírito que gera em mim a vida nova do amor de Deus. Que os meus olhos se abram para ti e na cruz encontre a fonte do mistério mais profundo que o homem pode conhecer, o mistério de um Deus que se derrama em amor até à morte para me salvar. Derrama sobre mim, Senhor, a força do teu Espírito e faz-me renascer cada dia um pouco mais até conhecer totalmente os mistérios do céu.

domingo, 12 de abril de 2015

BODAS DE OURO DO GRUPO CORAL DE S. CAETANO

Uma efeméride que, sem dúvida, merece ser comemorada, dando graças a Deus pelo longo caminho já percorrido e lembrando todos os que de alguma forma contribuíram para que fosse possível chegar até este dia. 

sábado, 11 de abril de 2015

PORQUE ME VÊS, ACREDITAS

Porque me vês, acreditas
Disse Jesus a Tomé,
Ditoso quem acredita
Não porque vê mas tem fé!
 
Senhor, acreditamos: És o Pão.
Que a nossa fé sustenta e que nos guia!
O Teu sangue nos deste como vinho
Que nos enche de paz e de alegria!

Senhor, em comunhão na Tua Igreja,
Sofremos com quem sofre por ter fome!
Aquele que tem sede de justiça
Levamos a água viva do Teu Nome!

Saboreai e vede como é bom
O pão que é a palavra do Senhor!
Provai como agradável é o vinho
Em que provamos Seu eterno amor!

Acorrei, povos todos, alegrai-vos:
O Senhor preparou a Sua mesa!
Provai, saboreai Sua Palavra;
É Ele o vosso abrigo e fortaleza!

DOMINGO II DA PÁSCOA ou da Divina Misericórdia

SALMO RESPONSORIAL Salmo 117 (118), 2-4.16ab-18.22-24 (R. 1)
Refrão: Dai graças ao Senhor, porque Ele é bom,
   porque é eterna a sua misericórdia.

Diga a casa de Israel:
é eterna a sua misericórdia.
Diga a casa de Aarão:
é eterna a sua misericórdia.
Digam os que temem o Senhor:
é eterna a sua misericórdia.

A mão do Senhor fez prodígios,
a mão do Senhor foi magnífica.
Não morrerei, mas hei-de viver,
para anunciar as obras do Senhor.
Com dureza me castigou o Senhor,
mas não me deixou morrer.

A pedra que os construtores rejeitaram
tornou-se pedra angular.
Tudo isto veio do Senhor:
é admirável aos nossos olhos.
Este é o dia que o Senhor fez:
exultemos e cantemos de alegria.

sexta-feira, 10 de abril de 2015

CAMINHANDO... RECORDANDO...

Como é bom caminhar sem pressa e desfrutar de toda a beleza que a natureza oferece. Calcorrear montes e vales, arranhar os pés e as mãos, enfrentar a chuva ou o calor, vencer obstáculos e superar às vezes os próprios limites, é um desafio que se coloca a quem participa numa caminhada.
Como prémio, o êxtase de quase tocar o céu, admirar a inóspita e inacessível montanha, a imensidão do vale, e escutar ao longe o sussurro do rio ou regato que corre a seus pés. 
Aqui chegados e sentados em repouso, se dará o devido valor à água, fonte de vida que refresca e acalma, depois de tão intenso esforço físico.
A terminar, o coração e a voz se unem numa prece a Deus, que permitiu a alegria de contemplar uma infinidade de maravilhas que retemperam a alma e dão alento para continuar todas as outras caminhadas da vida. 
Obrigada, Senhor!

CAMINHADA DOS CATEQUISTAS

É já amanhã, sábado,11 de Abril, que os catequistas sairão às 7h30 da manhã, do Centro Paroquial. Podem participar catequistas familiares e amigos. 
Caminhar é saudável, cria amizade, partilha e comunhão. Vamos lá então exercitar o corpo para elevar o espírito!

quarta-feira, 8 de abril de 2015

É O AMOR!

É o amor, ainda que imperfeito,
É o amor, ainda que com defeito,
É o amor que faz correr a Madalena.
É o amor, ainda que imperfeito,
É o amor, ainda que com defeito,
É o amor que faz chorar a Madalena.
Mas tu sabes, meu irmão da páscoa plena,
Tu sabes que há outro amor em cena,
E é esse amor que faz amar a Madalena.

D. António Couto

DOMINGO DE PÁSCOA

 
ELE ESTÁ VIVO! ALELUIA! ALELUIA!
Foi este o feliz anúncio da Ressurreição do Senhor, 
 
que logo após a Eucaristia das 8h00, 21 Cruzes 
 
-cerca de 100 pessoas da comunidade paroquial- 
 
anunciaram e testemunharam a alegria da sua fé pascal. 
 
Rezando em cada casa e em cada família 
 
que quis abrir as suas portas à Páscoa,
 
e receber Jesus Cristo Ressuscitado.
 

ORAÇÃO

Eu não tenho mãos, mas conto com as tuas;
mãos que recolham o caído e o levantem,
dispostas a repartir a paz
e oferecidas em liberdade.
Eu preciso das tuas palavras,
dos teus gestos, da tua expressão,
e dum coração que ame ao ritmo do meu amor.
Eu não tenho pés, emprestar-me-ás os teus
para percorrer cada recanto deste mundo,
levando a cada homem a luz da minha presença,
o dom da amizade, o prazer das minhas promessas?
Eu não tenho voz, mas conto com a tua
para criar o meu Reino na humanidade.
Anuncia e acreditarão!
As minhas obras realizar-se-ão por ti.

D. António Manuel Moiteiro Ramos

terça-feira, 7 de abril de 2015

VIA-SACRA COM A CATEQUESE

Recordamos que decorreu como é habitual, em sexta-feira santa, este ano a 3 de abril, no monte de S. Caetano. A Via-Sacra iniciou-se por volta das 15h00, a partir dos Ribeiras e pelo monte acima, os jovens do 8º ano e do 9º ano, com os seus catequistas. Contaram ainda com a colaboração do coro infanto-juvenil, e a presença de muitos pais e familiares dos jovens e crianças da catequese.
 
É sempre emotivo recordar os passos de Jesus e o seu sofrimento até ao monte Calvário. Cada encenação tem de ser feita com seriedade e realismo. E, mais uma vez. os jovens estiveram à altura!
Primeira Estação: Jesus é condenado à morte. Pelo Teu silêncio de humildade e de amor e pelo profundo sofrimento de Maria Tua Mãe, Senhor Jesus, tem piedade de nós!
"Então os soldados do governador, levando Jesus para o Pretório, reuniram toda a corte. Despiram-n'O e puseram-Lhe uma capa escarlate e, tecendo, uma coroa de espinhos, puseram-lha na cabeça e uma cana na mão direita; e depois, enquanto se ajoelhavam diante d'Ele, faziam troça, dizendo: "Salve, rei dos judeus!". E cuspindo n'Ele, tiraram-Lhe a cana e batiam-Lhe com ela na cabeça. Depois, despiram-Lhe a capa escarlate, vestiram-n'O com as suas vestes e levaram-n'O para 0 crucificar (Mt 27,27-31)."
Quarta Estação: Jesus encontra a sua mãe -"Simeão disse a Maria, sua mãe: "Eis que este menino vai ser motivo de queda e elevação de muitos em Israel. Ele será um sinal de contradição, para que se revelem os pensamentos de muitos corações. Quanto a ti, uma espada trespassará a tua alma". Sua mãe conservava todas estas coisas em seu coração (Lc 2,34-35.51)." 
Quinta Estação: Jesus é ajudado por Simão de Cirene - Jesus, Deus Forte, que Te fizeste fraco a ponto de recorrer à ajuda do homem, tem piedade de nós!
 Nona Estação: Jesus cai pela terceira vez - "Vinde a Mim, vós todos que estais cansados e oprimidos, e Eu vos aliviarei. Tomai sobre vós o Meu jugo e aprendei de Mim que sou manso e humilde de coração (Mt 11,28-29)."
 Décima Primeira Estação: Jesus é pregado na cruz - "Depois de O crucificarem, fizeram um sorteio, repartindo entre si as suas vestes. E ficaram ali sentados a guardá-l'O. Acima da cabeça de Jesus puseram o motivo da sua condenação: "Este é Jesus, o Rei dos Judeus". Com Ele foram crucificados dois ladrões, um à direita, outro à esquerda. E os que passavam perto, injuriavam-n'O, meneando a cabeça e dizendo: "... Se Tu és o Filho de Deus, desce da cruz!".
Respondendo ao apelo feito Rev. Pe. Zé Manel, na Eucaristia de Ramos, todas as crianças e também pais levaram uma cruz, que erguiam em cada uma das estações. No final, cada um deixou a sua cruz num cesto preparado para o efeito. Mais tarde todas as cruzes foram colocadas junto do altar da Capela de S. Caetano, onde irão permanecer até ao Pentecostes.

Parabéns pela organização do 8º e colaboração do 9º ano, que nos permitiu recordar e vivenciar em oração, leituras bíblicas e a encenação de cada uma das estações, os passos de Jesus Cristo até ao Calvário.
Mais imagens em: http://1drv.ms/1ybMVIj