domingo, 20 de Abril de 2014

É PASCOA: ALELUIA! ALELUIA! ALELUIA!


DOMINGO DE PÁSCOA DA RESSURREIÇÃO DO SENHOR

Salmo Responsorial Sal. 117(118), 1-2, 16ab-17, 22-23
Refrão: Eis o dia que  fez o Senhor.
Nele exultemos e nos alegremos.

Dai graças ao Senhor, porque Ele é bom,
porque é eterna a sua misericórdia.
Diga a casa de Israel:
é eterna a Sua misericórdia. 

A mão do Senhor fez prodígios,
a mão do Senhor foi magnífica.
Não morrerei, mas hei-de viver,
para anunciar as obras do Senhor. 

A pedra que os construtores rejeitaram
tornou-se pedra angular.
Tudo isto veio do Senhor:
e é admirável aos nossos olhos. 

sábado, 19 de Abril de 2014

EIS A LUZ DE CRISTO: GRAÇAS A DEUS!

Sementes de Esperança deseja a todos, Santa e Feliz Páscoa!

DOMINGO DE PÁSCOA DA RESSURREIÇÃO DO SENHOR

8h00 - EUCARISTIAS: Igreja Paroquial, S. Martinho e S. Caetano.
9h00 às 13h00, Visita Pascal
12h00 - EUCARISTIA na Capela de S. Martinho 
ANTÍFONA DE ENTRADA Salmo 139, 18.5-6
Ressuscitei e estou convosco para sempre; pusestes sobre mim a vossa mão: é admirável a vossa sabedoria.

VIGÍLIA PASCAL - CONVITE

22H00, CAPELA DE S. MARTINHO
Concentração fora da Capela às 21h50. Devem fazer-se acompanhar de uma vela
PRECÓNIO PASCAL – Forma breve

Exulte de alegria a multidão dos Anjos,
exultem as assembleias celestes,
ressoem hinos de glória,
para anunciar o triunfo de tão grande Rei.
Rejubile também a terra,
inundada por tão grande claridade,
porque a luz de Cristo, o Rei eterno,
dissipa as trevas de todo o mundo.
Alegre-se a Igreja, nossa mãe,
adornada com os fulgores de tão grande luz,
e ressoem neste templo as aclamações do povo de Deus.
[V. O Senhor esteja convosco.
R. Ele está no meio de nós].
V. Corações ao alto.
R. O nosso coração está em Deus.
V. Dêmos graças ao Senhor nosso Deus.
R. É nosso dever, é nossa salvação.
É verdadeiramente nosso dever, é nossa salvação
proclamar com todo o fervor da alma e toda a nossa voz
os louvores de Deus invisível, Pai omnipotente,
e do seu Filho Unigénito, Jesus Cristo, nosso Senhor.
Ele pagou por nós ao eterno Pai a dívida por Adão contraída
e com seu Sangue precioso 
apagou a condenação do antigo pecado.
Celebramos hoje as festas da Páscoa,
em que é imolado o verdadeiro Cordeiro,
cujo Sangue consagra as portas dos fiéis.
Esta é a noite,
em que libertastes do cativeiro do Egipto
os filhos de Israel, nossos pais,
e os fizestes atravessar a pé enxuto o Mar Vermelho.
Esta é a noite,
em que a coluna de fogo dissipou as trevas do pecado.
Esta é a noite,
que liberta das trevas do pecado e da corrupção do mundo
aqueles que hoje por toda a terra crêem em Cristo,
noite que os restitui à graça
e os reúne na comunhão dos Santos.
Esta é a noite,
em que Cristo, quebrando as cadeias da morte,
Se levanta glorioso do túmulo.
Oh admirável condescendência da vossa graça!
Oh incomparável predilecção do vosso amor!
Para resgatar o escravo entregastes o Filho.
Oh necessário pecado de Adão,
que foi destruído pela morte de Cristo!
Oh ditosa culpa,
que nos mereceu tão grande Redentor!
Esta noite santa afugenta os crimes, lava as culpas;
restitui a inocência aos pecadores, dá alegria aos tristes.
Oh noite ditosa,
em que o céu se une à terra,
em que o homem se encontra com Deus!
Nesta noite de graça,
aceitai, Pai santo, este sacrifício vespertino de louvor,
que, na oblação deste círio,
pelas mãos dos seus ministros Vos apresenta a santa Igreja.
Nós Vos pedimos, Senhor,
que este círio, consagrado ao vosso nome,
arda incessantemente para dissipar as trevas da noite;
e, subindo para Vós como suave perfume,
junte a sua claridade à das estrelas do céu.
Que ele brilhe ainda quando se levantar o astro da manhã,
aquele astro que não tem ocaso,
Jesus Cristo vosso Filho,
que, ressuscitando de entre os mortos,
iluminou o género humano com a sua luz e a sua paz
e vive glorioso pelos séculos dos séculos.

PAI, SE ESTE CÁLICE

Domingo de Ramos na Paixão do Senhor - Capela de S. Caetano

Pai, se este cálice não pode passar sem que Eu o beba,
faça-se a Tua vontade, faça-se a tua vontade.

O meu alimento é fazer a vontade de meu Pai.
É fazer a vontade de meu Pai.

sexta-feira, 18 de Abril de 2014

SEXTA-FEITA SANTA - ADORAÇÃO DA CRUZ

19H00, NA CAPELA DE S. MARTINHO
A Celebração

Hoje não se celebra a missa em todo o mundo. O altar é iluminado sem mantel, sem cruz, sem velas nem adornos. Recordamos a morte de Jesus. Os ministros se prostram no chão frente ao altar no início da cerimonia. São a imagem da humanidade rebaixada e oprimida, e ao mesmo tempo penitente que implora perdão por seus pecados.
Vão vestidos de vermelho, a cor dos mártires: de Jesus, o primeiro testemunho do amor do Pai e de todos aqueles que, como ele, deram e continuam dando sua vida para proclamar a libertação que Deus nos oferece.

SEXTA-FEIRA SANTA

Preces de Sexta-feira Santa
I
Por este mundo que sofre
à espera da libertação
por esta terra angustiada
em tempos que não são de paz
pelas vítimas da guerra e da discriminação racial
por aqueles que inesperadamente são vítimas
das calamidades naturais ou da maldade humana
por todos os que morrem nas estradas
e os que, de uma maneira ou de outra,
se acham em perigo.
Tu que queres a felicidade 
e não a desgraça daqueles que amas
ordena a violência que em nós transborda
converte o ódio dos nossos corações
em tolerância e em respeito pela diferença
nós to pedimos
por Jesus Cristo, o único inocente
e pelo Espírito, o advogado da nossa fraqueza.

II
Por aqueles que vivem
sob o jugo da pobreza e da privação
por aqueles que desesperam
por não encontrarem saída às suas vidas
por todos os mutilados no corpo ou no espírito
e pelos que, doentes durante anos,
veem o seu corpo destruir-se.
Por todos os que morrem sós mortos de medo
sem encontrar na lama das palavras
um sopro de Páscoa
ou a esperança da vida após a morte
ensina-nos a arte de bem viver
a nós que acreditamos mais na morte que na vida
tu que és o Deus dos vivos
e ressuscitaste o teu Filho dos infernos
não nos retires a luz que faz viver nem o calor dos afetos
em que reconhecemos a tua presença
isto te pedimos pelo amor de Jesus Cristo
e pelo amor que o Espírito derramou no nosso coração.

III
Por aqueles que perderam a fé nos homens e no amor
e pelos que perderam também a fé em Deus
por todos os que buscam a verdade
nas diversas formas de religião
por todos os casais separados
por todos os padres caídos
por todos os religiosos esmagados
pelo peso dos votos ou das regras.
Subam a ti as orações
de todos os filhos dos homens atribulados
de todos os que apelam para a tua misericórdia
tu que és a consolação dos aflitos
e a força dos torturados
e reconheceremos na alegria
que tu os socorrestes.

IV
Por esta cidade em que vivemos e trabalhamos
pelo povo cristão a caminho da Promessa
através das vicissitudes das formas
em que se mura e endurece
oremos por todos os que nos representam
e bem e mal nos servem
oremos por todos os que não têm casa nem abrigo
pelos que se sentem traídos
e por aqueles a quem o desânimo desfigura.
Tu deste-nos uma terra, uma cidade para construir
gente com a qual viver e resistir
abre-nos os olhos ao invisível que nos transporta
torna-nos discípulos para ajudar e consolar
e para que um pouco do teu amor
transpareça no mundo que criaste
nós te pedimos por Jesus Cristo, o Salvador
e pelo Espírito que desde a fundação do mundo nos assiste.

Fr. José Augusto Mourão, OP

quinta-feira, 17 de Abril de 2014

SEXTA-FEIRA SANTA - VIA-SACRA ENCENADA COM A CATEQUESE

ÁS 15H00, EM S. CAETANO - Concentração nos Ribeirais, às 14h30. 
 
Toda a Catequese deve participar.

QUINTA-FEIRA SANTA

ADORAÇÃO AO SANTÍSSIMO SACRAMENTO - até às 24h00 - na Igreja Paroquial
Depois da Missa da Ceia do Senhor, que terá início às 21h30
Celebremos o mistério / Da divina Eucaristia,
corpo e sangue de Jesus: / O mistério de Deus vivo,
Tão real no seu altar / Como outrora sobre a cruz.

Vindo à terra, que O chamava, / Cristo foi a salvação
E a alegria do seu povo. / Foi profeta, foi palavra
E palavra que, pregada, / Fez do mundo um mundo novo.

Foi na noite derradeira / Que, na ceia com os Doze,
Coração a coração, / Se deu todo e para sempre.
Mãos em bênção sobre a mesa / Da primeira comunhão.

Assim, Deus, que se fez homem, / Tudo fez em plenitude
De humildade e de pobreza. / E o milagre continua:
Onde falham os sentidos, / Chega a esp’rança de quem reza.

Veneremos, adoremos, / A presença do Senhor,
Nossa luz e pão da vida, / Cante a alma o seu louvor.
Adoremos no sacrário, / Deus oculto por amor.

Dêmos glória ao Pai do Céu, / Infinita Majestade;
Glória ao Filho e ao Santo Espírito, / Em espírito e verdade,
Veneremos, adoremos / A Santíssima Trindade.

MISSA DA CEIA DO SENHOR -17 de Abril, 21h30, na Igreja Paroquial

SALMO RESPONSORIAL Salmo 115 (116), 12-13.15-16bc.17-18 (R. cf. 1 Cor 10, 16)

Refrão: O cálice de bênção
é comunhão do Sangue de Cristo. 

Como agradecerei ao Senhor
tudo quanto Ele me deu?
Elevarei o cálice da salvação,
invocando o nome do Senhor. 

É preciosa aos olhos do Senhor
a morte dos seus fiéis.
Senhor, sou vosso servo, filho da vossa serva:
quebrastes as minhas cadeias. 

Oferecer-Vos-ei um sacrifício de louvor,
invocando, Senhor, o vosso nome.
Cumprirei as minhas promessas ao Senhor,
na presença de todo o povo. 

INICIO DO TRÍDUO PASCAL

ANTÍFONA DE ENTRADA cf. Gal. 6, 14
Toda a nossa glória está na cruz de Nosso senhor Jesus Cristo. N’Ele está a nossa salvação, vida e ressurreição. Por Ele fomos salvos e livres.

SINGELA HOMENAGEM AO MAESTRO SR. ALBINO NUNES NICOLAU

Na parte da manhã na celebração da Eucaristia de Domingo de Ramos, às 11h00, diante de toda a Comunidade foi prestado o merecido tributo ao Maestro. Na parte da tarde reuniram-se familiares e amigos, para continuarem de forma mais intimista esse agradecimento pela obra que nos deixa e construiu durante 60 anos. Foi tempo para recordar em imagens os anos que já passaram, seguindo-se um pequeno Momento Musical:
Tânia Leitão a interpretar: "Cânon de Pachelbel" em Ré maior, Johann Sabastian Bach

Grupo Coral de S. Caetano, acompanhado e dirigido também pela Tânia, interpretou:

HINO DO ANO DA FÉ - foi recordada apenas uma pequena parte deste hino que nos acompanhou em 2012/2013- Ano da Fé- um grande desafio proposto a todos nós, pelo Papa Bento XVI, e que terminou já com o Papa Francisco.
MONTANHA AZUL - Um fado que é também oração e, como tal, convida ao silêncio

VAI P'LO MUNDO CANTANDO ALEGRIA - A tradução portuguesa para o célebre Coro dos Escravos Hebreus “Va, pensiero”, A ópera Nabucco, de Verdi, que narra a destruição do Primeiro Templo e a escravidão dos judeus na Babilônia. Os escravos Hebreus lamentam a sua situação e sentem saudades da sua pátria natal, Israel.
CONTA O NÚMERO DAS ESTRELAS - É uma adaptação da música: the sound of silence – de Simon & Garfunkel. Por volta dos anos 60, teve inicio na igreja católica, um movimento de “inclusão” de músicas pop/rock – às quais se adaptava uma letra de cariz cristão – numa tentativa de chamar mais jovens à igreja e animar de forma mais viva os seus encontros. Essa ideia mantêm-se, embora hoje prevaleça a composição de música religiosa de grande qualidade destinada aos mais jovens.
 O SOL JÁ RAIOU - Adaptação portuguesa de uma música religiosa francesa, muito antiga. Também muito em voga a partir dos anos 60, mas que continua a ser muito escutada, finalizou este momento musical.
Depois, com as palavras sempre acertivas do Rev. Pe Zé Manel, tivemos a "PASSAGEM DE TESTEMUNHO" do Maestro Albino, para a Maestrina Tânia Leitão.
O Sr. Albino recordou vivências e agradeceu a Deus tudo quanto aconteceu ao longo destes anos e a também aos presentes e ausentes que fizeram e fazem parte desta grande família.
A tarde terminou em convívio de amizade e um lanche partilhado.






quarta-feira, 16 de Abril de 2014

A NOSSA SINGELA HOMENAGEM

Ao Maestro 
Albino Nunes Nicolau
Vida de grande dedicação,
inspirada pela Fonte,
com crescente amor a Deus
e ao Bom Jesus do Monte.

De S. Caetano devoto,
não faltava à sua festa!
Queria sempre o melhor
e uma afinada orquestra!

Por vezes algum desânimo,
quando um jovem desistia,
porque mais uma voz perdida
para louvar na Eucaristia.

Mas, passo a passo prosseguiu…
por entre canseiras e escolhos,
resistindo às intempéries… 
às vezes de lágrimas nos olhos.

Faltam palavras que expressem
tanto amor e dedicação,
bondade, justiça e verdade,
de tão grande coração.

Por quanto nos deu e ensinou,
com emoção queremos agradecer
e dizer ao nosso maestro Sr. Albino
que nunca o vamos esquecer.

Bem-haja!

Grupo Coral de S. Caetano

DOMINGO DE RAMOS NA PAIXÃO DO SENHOR

CELEBRAÇÃO DA EUCARISTIA DAS 11H00, NA CAPELA DE S. CAETANO
  
O Monte de S. Caetano, com a sua bonita capela  é, podemos dizer, o cenário ideal para esta Celebração de Domingo de Ramos, este ano foi escolhida para a Missa das 11h00, e com a participação de um grupo coral formado por elementos de todos os coros da paróquia 
A celebração foi muito bonita mas também emotiva, pela singela homenagem prestada ao maestro Sr. Albino Nunes Nicolau, nos 60 anos de dedicação e trabalho na Capela de S. Caetano e pelos 49 anos de maestro à frente do Grupo Coral de S. Caetano, de que foi seu fundador.
O maestro decidiu retirar-se este ano dessa função, passando a "pasta" à jovem maestrina Tânia Leitão, mas vai continuar a cantar com o Grupo sempre que puder e enquanto Deus quiser.
 
 
  
 
 
  
 
 
 
 


DOMINGO DE RAMOS NA PAIXÃO DO SENHOR

PROCISSÃO DE RAMOS - Eucaristia das  11h00 em S. Caetano
Bendito, Bendito o que vem
Em nome do Senhor.
Aplaudi o Senhor, povos de todo o mundo;
Aclamai o Senhor com brados de alegria.
 Excelso é o Senhor, excelso e portentoso!
É poderoso Rei, que reina sobre o mundo!
 O Senhor concedeu-nos domínio sobre os povos,
E pôs aos nossos pés vencidas as nações.
 Para nós escolheu nossa bendita herança:
A glória de sermos seu povo bem-amado.
O Senhor Deus se eleva por entre aclamações,
O Senhor Deus se eleva ao som das trombetas
Cantai ao nosso Deus um salmo de louvor!
Cantai ao nosso Rei um salmo de alegria!
Porque o Senhor é Rei que reina em todo o mundo
Cantai ao Senhor Deus um hino jubiloso!

DOMINGO DE RAMOS NA PAIXÃO DO SENHOR

BÊNÇÃO DOS RAMOS - Eucaristia das 11h00, S. Caetano
 
Irmãos caríssimos: Desde o princípio da Quaresma vimos a preparar-nos com obras de penitência e de caridade. Hoje estamos aqui reunidos para darmos início, em união com toda a Igreja, à celebração do mistério pascal do Senhor, isto é, da sua paixão e ressurreição. 
Foi para realizar este mistério da sua morte e ressurreição que Jesus Cristo entrou na sua cidade de Jerusalém. 

Por isso, recordando com fé e devoção esta entrada triunfal na cidade santa, acompanharemos o Senhor, de modo que, participando agora na sua cruz, mereçamos um dia ter parte na sua ressurreição.
 
Deus eterno e omnipotente, santificai com a vossa bênção estes ramos, para que, acompanhando a Cristo nosso Rei nesta celebração festiva, mereçamos entrar com Ele na Jerusalém celeste. Ele que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.  Amen.